PT EN
Array ( [0] => Array ( [id] => 26 [pt_title] => ©BAQIADE - Biblioteca António Quadros, IADE – Universidade Europeia [photo] => Cristina Reis/1.Cristina Reis.catalogo_IExpDP.capa_1971.jpg [url] => 0 [artigos_id] => 3 [created] => 2020-05-07 16:25:27 [modified] => 2020-05-11 16:19:04 [users_id] => 0 [order_by] => 0 [thumb] => [en_title] => [mediatype] => image [pt_caption] =>

Cristina Reis
Catálogo da 1ª exposição de design português.
Lisboa: INII – Instituto Nacional de Investigação Industrial, 1971. Capa, design de Alda Rosa e Cristina Reis.
(BAQIADE - Biblioteca António Quadros, IADE – Universidade Europeia)

[en_caption] =>

Cristina Reis
Catalogue from the 1st portuguese design exhibition 
Lisbon: INII – Instituto Nacional de Investigação Industrial, 1971. Cover, Alda Rosa and Cristina Reis design.
(BAQIADE - Biblioteca António Quadros, IADE – Universidade Europeia)

[title] => ©BAQIADE - Biblioteca António Quadros, IADE – Universidade Europeia ) [1] => Array ( [id] => 48 [pt_title] => ©MUDE [photo] => Cristina Reis/14.jpg [url] => 0 [artigos_id] => 3 [created] => 2020-05-08 09:32:52 [modified] => 2020-05-11 16:20:56 [users_id] => 0 [order_by] => 1 [thumb] => [en_title] => [mediatype] => image [pt_caption] =>

Cristina Reis
E não se pode exterminá-lo? de Karl Valentim
Cartaz
30,5 x 60 cm
1979
Depósito Cristina Reis

[en_caption] =>

Cristina Reis
Can he be wiped out? by Karl Valentim
Playbill
30,5 x 60 cm
1979
Deposit Cristina Reis

[title] => ©MUDE ) [2] => Array ( [id] => 49 [pt_title] => ©MUDE [photo] => Cristina Reis/24.jpg [url] => 0 [artigos_id] => 3 [created] => 2020-05-08 09:33:04 [modified] => 2020-05-11 17:13:00 [users_id] => 0 [order_by] => 2 [thumb] => [en_title] => [mediatype] => image [pt_caption] =>

Cristina Reis
A Missão de Heiner Müller
Cartaz
48 x 68 cm
1984
Depósito Cristina Reis

[en_caption] =>

Cristina Reis
The Mission by Heiner Müller
Playbill
48 x 68 cm
1984
Deposit Cristina Reis

[title] => ©MUDE ) [3] => Array ( [id] => 53 [pt_title] => ©MUDE [photo] => Cristina Reis/37.jpg [url] => 0 [artigos_id] => 3 [created] => 2020-05-08 19:34:24 [modified] => 2020-05-11 16:24:49 [users_id] => 0 [order_by] => 3 [thumb] => [en_title] => [mediatype] => image [pt_caption] =>

Cristina Reis
O Público de Federico Garcia de Lorca
Cartaz
48,5 x 68 cm
1989
Depósito Cristina Reis

[en_caption] =>

Cristina Reis
The Public by Federico Garcia de Lorca
Playbill
48,5 x 68 cm
1989
Deposit Cristina Reis

[title] => ©MUDE ) [4] => Array ( [id] => 32 [pt_title] => ©MUDE [photo] => Cristina Reis/42.Comedia de Robena.maquete_1991.jpg [url] => 0 [artigos_id] => 3 [created] => 2020-05-07 16:26:42 [modified] => 2020-05-11 16:30:15 [users_id] => 0 [order_by] => 4 [thumb] => [en_title] => [mediatype] => image [pt_caption] =>

Cristina Reis
Comédia de Rubena de Gil Vicente
Maquete
1991
Depósito Cristina Reis

[en_caption] =>

Cristina Reis
The Play of Rubena by Gil Vicente
Model
1991
Deposit Cristina Reis

[title] => ©MUDE ) [5] => Array ( [id] => 50 [pt_title] => ©MUDE [photo] => Cristina Reis/84.jpg [url] => 0 [artigos_id] => 3 [created] => 2020-05-08 09:33:15 [modified] => 2020-05-11 16:37:13 [users_id] => 0 [order_by] => 5 [thumb] => [en_title] => [mediatype] => image [pt_caption] =>

Cristina Reis
A Vida é Sonho de Calderón de la Barca
Cartaz
48 x 68 cm
2003
Depósito Cristina Reis


 

[en_caption] =>

Cristina Reis
Life is a Dream by Calderón de la Barca
Playbill
48 x 68 cm
2003
Deposit Cristina Reis


 

[title] => ©MUDE ) [6] => Array ( [id] => 34 [pt_title] => ©Cortesia Cristina Reis [photo] => Cristina Reis/89.F1_Esopaida ou Vida de Esopo_2004.jpg [url] => 0 [artigos_id] => 3 [created] => 2020-05-07 16:27:12 [modified] => 2020-05-11 16:38:48 [users_id] => 0 [order_by] => 6 [thumb] => [en_title] => [mediatype] => image [pt_caption] =>

Cristina Reis
Esopaida de António José da Silva
Figurino
2004
Depósito Cristina Reis

[en_caption] =>

Cristina Reis
Esopaida by António José da Silva
Costume design
2004
Deposit Cristina Reis

[title] => ©Cortesia Cristina Reis ) [7] => Array ( [id] => 52 [pt_title] => ©MUDE [photo] => Cristina Reis/96.jpg [url] => 0 [artigos_id] => 3 [created] => 2020-05-08 19:29:00 [modified] => 2020-05-11 17:05:05 [users_id] => 0 [order_by] => 7 [thumb] => [en_title] => [mediatype] => image [pt_caption] =>

Cristina Reis
A Tragédia de Júlio César de William Shakespeare (co-produção com o São Luiz Teatro Municipal)
Maquete
2007
Depósito Cristina Reis

[en_caption] =>

Cristina Reis
The Tragedy of Julius Caeser by William Shakespeare (co-production with São Luiz Teatro Municipal)
Model
2007
Deposit Cristina Reis

[title] => ©MUDE ) [8] => Array ( [id] => 27 [pt_title] => ©MUDE [photo] => Cristina Reis/100.Os Gigantes da Montanha_maquete_2008.jpg [url] => 0 [artigos_id] => 3 [created] => 2020-05-07 16:25:48 [modified] => 2020-05-11 17:02:57 [users_id] => 0 [order_by] => 8 [thumb] => [en_title] => [mediatype] => image [pt_caption] =>

Cristina Reis
Os Gigantes da Montanha de Luigi Pirandello
Maquete
2008
Depósito Cristina Reis

[en_caption] =>

Cristina Reis
The Mounatin Giants by Luigi Pirandello
Model
2008
Deposit Cristina Reis

[title] => ©MUDE ) [9] => Array ( [id] => 28 [pt_title] => ©Cortesia Cristina Reis [photo] => Cristina Reis/119X_2017-11-03 11.27.27.jpg [url] => 0 [artigos_id] => 3 [created] => 2020-05-07 16:25:57 [modified] => 2020-05-11 17:08:23 [users_id] => 0 [order_by] => 9 [thumb] => [en_title] => [mediatype] => image [pt_caption] =>

Cristina Reis
A Cidade
Figurino
2010
Depósito Cristina Reis

[en_caption] =>

Cristina Reis
The City
Costume design
2010
Deposit Cristina Reis

[title] => ©Cortesia Cristina Reis ) [10] => Array ( [id] => 29 [pt_title] => ©MUDE [photo] => Cristina Reis/120.Ion_cartaz_2014.jpg [url] => 0 [artigos_id] => 3 [created] => 2020-05-07 16:26:07 [modified] => 2020-05-11 17:11:52 [users_id] => 0 [order_by] => 10 [thumb] => [en_title] => [mediatype] => image [pt_caption] =>

Cristina Reis
Íon de Eurípedes (co-produção São Luiz Teatro Municipal)
Cartaz
48 x 68 cm
2014
Depósito Cristina Reis

[en_caption] =>

Cristina Reis
Íon by Euripides (co-production São Luiz Teatro Municipal)
Playbill
48 x 68 cm
2014
Deposit Cristina Reis

[title] => ©MUDE ) )

Cristina Reis é um nome indissociável do Teatro da Cornucópia, a companhia fundada em 1973 por Luís Miguel Cintra e Jorge Silva Melo. É logo em 1975 que Cristina Reis inicia a sua colaboração com ambos os fundadores, começando um percurso de mais de 40 anos como cenógrafa, figurinista e designer gráfica da Cornucópia. A partir de 1980, após a saída de Jorge Silva Melo, Cristina Reis assume também a direção do Teatro, juntamente com Luís Miguel Cintra. Neste “projeto de vida”, Cristina Reis desenha a quase totalidade dos cenários, dos adereços de palco e dos figurinos, sendo também responsável pela imagem gráfica de cada peça, desenhando os catálogos, os programas e os outros suportes de comunicação da Cornucópia nos mais de 120 espetáculos levados à cena, seja no emblemático Teatro do Bairro Alto ou noutras instituições do país, como o Teatro Nacional D. Maria II, a Culturgest, o Teatro São Luiz, o Teatro Rivoli ou o Teatro Nacional de São Carlos.  É reconhecida a importância que os seus espaços, roupagens, adereços e imagens desempenharam na tradução formal e visual de cada dramaturgia do encenador Luís Miguel Cintra, e o papel decisivo que desempenharam na construção da identidade da companhia, tornando-se mesmo uma marca distintiva da Cornucópia. Para além do teatro, Cristina Reis idealiza também cenários e figurinos para cinema e ópera. Entre os vários prémios que recebeu, destaca-se o Prémio ACARTE/Maria Madalena de Azeredo Perdigão (1997); o Prémio Almada/Teatro pelo conjunto da sua obra, atribuído pelo Ministério da Cultura (1999); o Prémio Nacional de Design/ Centro Português de Design (2000); ou o Prémio Gulbenkian Artes (2010). 

 Antes de colaborar com o Teatro da Cornucópia, Cristina Reis fez parte da primeira geração de designers portugueses com formação em design. Depois de terminado o curso de pintura da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, Cristina Reis partiu em 1966 para Londres, como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian, concluindo o curso de Arte e Design Gráfico, em 1970, no Ravensbourne College of Art and Design. Como ela, formaram-se em Londres, Alda Rosa, José Brandão, Sallete Brandão, Moura-George, Jorge Pacheco, entre outros.

Cristina Reis aprendeu e colaborou com os pioneiros do design em Portugal. Primeiro, com seu tio, o arquiteto e pintor Frederico George, grande defensor da afirmação do design como disciplina autónoma. E em segundo, trabalha com Daciano da Costa no seu ateliê entre 1960 e 1966, colaborando em vários projetos de desenho de interiores. Cristina Reis participou ainda ativamente na organização da 1ª e da 2ª Exposição de Design Português, respetivamente em 1971 e 1973. Colaborou no levantamento e organização da emblemática exposição de 1971, em conjunto com José Maria Cruz de Carvalho, João Constantino, Eduardo Sérgio e José Santa Bárbara, com orientação de Maria Helena Matos e, em colaboração com Alda Rosa, elaborou ainda o respetivo catálogo, objeto de referência pelo design gráfico. Em 1973, colaborou, mais uma vez, sob a direção de Alda Rosa, na conceção gráfica do catálogo da 2ª Exposição, mostra que teve projeto e direção de António Sena da Silva e da Cooperativa PRAXIS, liderada por Tomás de Figueiredo. Ainda antes da sua colaboração com o Teatro da Cornucópia, Cristina Reis integrou, entre 1974 e 1975, a cooperativa DEZ, que formou, entre outros, com José Manuel Ramada Leite, Rita Castro, Francisco Mapril, Armindo Robalo, Sena da Silva e Martins Barata, desenhando várias exposições para a indústria e para representações oficiais portuguesas organizadas pelo Fundo de Fomento de Exportação (atual AICEP).

Apesar de ter sido várias vezes distinguida, a vastíssima obra de Cristina Reis nunca foi devidamente estudada, analisada e divulgada de forma coesa e integral, pela perspetiva da sua disciplina de formação, o design. Importa fazer um levantamento dos desenhos, maquetas e outros registos existentes para depois se proceder a uma leitura comparativa e cuidadosa das suas arquiteturas de cena, dos seus figurinos e dos seus cartazes, procurando caracterizar a sua linguagem, estilo e gramática. Foi com esta intenção que o MUDE recebeu, em 2017/2018, o espólio que reúne muitos dos acessórios e adereços de palco que fizeram parte da história da Cornucópia. De igual modo, o MUDE recebeu também uma coleção documental constituída pelas maquetas originais dos espetáculos, pelos cartazes, programas e outro material impresso. É este espólio, exemplo do trabalho criativo, experimental e inventivo de Cristina Reis, que se encontra à guarda do MUDE, em processo de doação, pela sua representatividade e estreita ligação entre o design e as artes de palco, em particular, o teatro. A incorporação deste espólio no MUDE assume ainda uma redobrada importância, uma vez que Cristina Reis foi, durante a década de 1970, uma ativa participante no movimento de afirmação disciplinar e institucional do design.

A coleção de programas de teatro é demonstrativa do valor que a Cornucópia, sempre entendida como teatro de reflexão, lhes atribuía enquanto material de estudo e reflexão do espetador. Cada programa implicava um vasto trabalho de investigação e reunia informação necessária sobre o texto original, o seu autor, contexto histórico ou anteriores encenações, mas também sobre a filosofia que presidia à dramaturgia, encenação e cenografia da Cornucópia. O conjunto dos programas, cartazes e outros materiais de divulgação é assim uma fonte de informação importante, pois testemunha a forma como cada suporte era idealizado de modo a gerar uma sólida unidade com a concepção plástica de cada espetáculo.

Por outro lado, os figurinos, as maquetas e os adereços de palco provam como Cristina Reis deu corpo e espaço, com particular mestria e sensibilidade, a cada dramaturgia de Luís Miguel Cintra. Ano após ano, Cristina Reis foi reinventando a caixa vazia do Teatro da Cornucópia, recuperando uma série de práticas ancestrais de teatralização e repensando, em cada novo espetáculo, a relação palco-plateia/ ator-público/ corpo-vestes/ imagem-palavra/ dramaturgia-cenografia. Cristina Reis projeta composições inventivas e aparentemente simples, onde valoriza cada elemento cénico, construído intencionalmente de forma artesanal e manual, criando um “alfabeto” de objetos performativos, de valor icónico e força plástica, que vão reaparecendo, de forma surpreendente, em diferentes cenografias, procurando gerar no espetador uma vivência concreta, presencial e emotiva.

 

Bárbara Coutinho

Maio 2020

 

+ leituras

Teatro da Cornucópia: Espectáculos de 1973 a 2001. Lisboa: Teatro da Cornucópia.

CINTRA, Luís Miguel (2000). “Introdução a Cristina Reis”, GRAIS, Paula Gris (coord.). Prémios Nacionais de Design 2000: Carreira. Lisboa: Centro Português de Design.

COUTINHO, Bárbara e SOUTO, Maria Helena (conceito e coord. ed.) (2017). Design em Portugal (1960-1974). Ensaio para um arquivo. Lisboa: CML-MUDE.

COUTINHO, Bárbara (coord. edit.) (2009). Sena da Silva. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

MACHADO, Carlos Alberto (1999), Teatro da Cornucópia: As regras do jogo. Lisboa: Frenesi.

REIS, Cristina (org.) (2016). Teatro da Cornucópia: Espectáculos de 2002 a 2016. Lisboa: Teatro da Cornucópia.

SOUTO, Helena (coord.). Design em Portugal (1960-1974): acções, intervenientes e repercussões do Núcleo de Arte e Arquitectura Industrial e do Núcleo de Design Industrial do Instituto Nacional de Investigação Industrial (I.N.I.I.). [disponível em: http://unidcom.iade.pt/designportugal/].